300 N. Washington St.
Suite B-100
Alexandria, VA 22314
info@globalsecurity.org

GlobalSecurity.org In the News




Agence France Presse March 18, 2003

Um exercito iraquiano debilitado se prepara para defender Bagda

Desde sua derrota na guerra do Golfo em 1991 e depois de 13 anos de sancoes economicas contra Bagda, o exercito iraquiano, que ja foi o quarto maior do mundo, perdeu metade de seus oficiais e viu o moral de suas tropas ser gravemente afetado.

No entanto, segundo especialistas militares, o exercito iraquiano continua bem treinado e pode se tornar perigoso para as tropas americanas se for mobilizado, como se imagina, dentro e ao redor de Bagda e Tikrit, cidade natal do presidente iraquiano Saddam Hussein.

Como as forcas navais e aereas iraquianas foram aniquiladas pelos aliados em 1991, os estrategistas americanos concentram sua atencao nas forcas terrestres de Saddam Hussein. Um estudo do centro de analise militar americano GlobalSecurity.org calcula o numero de oficiais iraquianos em cerca de 400.000 homens, equipados com quase 2.000 tanques, 3.700 veiculos blindados e milhares de pecas de artilharia pesada, incluindo misseis antiaereos e antitanques.

Em comparacao, os Estados Unidos e a Gra-Bretanha dispoem de quase 250.000 homens mobilizados em torno do Iraque. Porem, segundo noticias da imprensa anglo-americana, 75% dos soldados iraquianos nao estariam em condicoes de combater. Mal equipados, mal alimentados e prontos para desertar aos milhares, os soldados do exercito regular nao contam muito nos planos de guerra iraquianos ou americanos.

Por outro lado, os quase 100.000 soldados da Guarda Republicana e da Guarda Republicana Especial, unidades de elite do regime, representam uma verdadeira forca de defesa e poderiam oferecer dura resistencia aos Estados Unidos. Com salarios melhores, bons treinamentos e equipamentos, os oficiais destas tropas sao conhecidos por sua lealdade incondicional a Saddam Hussein e por estarem preparados para combater ate o final.

Como acreditam que Saddam Hussein aprendeu a licao de sua derrota na guerra do Golfo, na qual subestimou a forca, a supremacia tecnica e a determinacao das forcas aliadas que enfrentaram seu exercito, os analistas esperam que agora o presidente iraquiano mobilize seus homens ao redor da capital e de Tikrit.

O objetivo desta estrategia seria atrair as forcas anglo-americanas para as cidades, terreno considerado hostil, onde os habitantes foram preparados para acoes de guerrilha urbana.

Especialistas militares "advertiram para o numero elevado de vitimas" no caso de combates urbanos, rua a rua, afirmou recentemente Edward Luttwak, do Centro de Estudos Estrategicos e Internacionais de Washington, destacando que neste cenario o exercito americano deve enfrentar milhares de voluntarios das milicias.

Por outro lado, acrescentou Luttwak, a resistencia de um exercito de civis nao tem muitas possibilidades de ser eficaz, como demonstra, na sua opiniao, a facilidade com que os blindados israelenses operam nas cidades palestinas desde o inicio da Intifada.

Antes de alcancar Bagda, as tropas americanas deverao atravessar os 500 km que separam a fronteira kuwaitiana da capital iraquiana.

O avanco ate a capital consistira num duro teste para a logistica americana, pois Saddam Hussein podera destruir os diversos diques no Tigres e Eufrates para inundar as terras e obrigar a construcao de pontes por parte dos engenheiros americanos.

De qualquer modo, permanece a grande incerteza sobre as reservas de armas quimicas e biologicas que o regime iraquiano teria e sobre sua eventual utilizacao por parte de Saddam Hussein.

Os inspetores de desarmamento da ONU nao encontraram nenhum rastro destas armas. Porem, como as autoridades americanas temem um ataque do virus da variola ou do bacilo do carbunculo (origem do antraz), os soldados americanos (assim como os jornalistas que os acompanham) foram vacinados de forma preventiva.


Copyright 2003, Agence France Presse